Nasceu um Ectoplasma

stopestra5

Depois destes dois concertos de ontem e Quinta, parece-me claro que a Stopestra deu um salto quântico. Não está necessariamente mais estruturada ou mais virtuosa, nem sequer mais comunicável… E por mim venha o caos e os saltos no escuro, em doses inteligentes e necessárias. O Tim tem sabido acomodar esse equilíbrio, e tem vindo até a incentivar a integração doseada do desvairo.

Parece-me sim que a Stopestra começou agora a cumprir a sua promessa tácita de espelhar e potenciar um eco-sistema de relações humanas, musicais, estéticas, sociais, culturais.

Os primeiros concertos, de 2010 a 2012, desde logo interessantes, funcionaram essencialmente como ferramenta de negociação territorial local, e impuseram-se perante o público por via de um reportório relativamente familiar. A novidade era, essencialmente, o impacto sonoro demolidor. Mas o efeito acústico explosivo esgota-se…

O que temos então a seguir?

Temos o que sucedeu estes dias: o surgimento de uma verdadeira comunidade que transcende as músicas, as agendas e os retornos. Uma comunidade de extrema diversidade estética, etária, experiencial e funcional, onde tem existido uma notável harmonia e fertilidade de coexistências. Não sem um pontual esforço para a acomodação de perspectivas, mas as pessoas têm vindo a descobrir-se mutuamente, contemplando as inúmeras diferenças como oportunidades de respiração mais profunda. Pelo meio da constelação de estilos, projectos, linguagens, perplexidades e enigmas. Em tempos de austeridade, de saturação e angústia, e consequente ausência de risco, é infinitamente gratificante pertencer a esta informe promiscuidade, que insiste em não se classificar, e que agora declara não se ficar pelo volume decibélico.

Ou seja: além de ideológica, a Stopestra passou a ser uma aventura existencial, um campo de ensaio socio-utópico, um eco-sistema que se emancipou dos seus muitos elementos individuais e ganhou vida própria. E foi esse eco-sistema, antes de mais afectivo, que o público intuiu e ao qual aderiu.

Foi isto que aconteceu Quinta no Hard Club: já antes pressentido, nasceu um enorme e benevolente ectoplasma.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s